segunda-feira, 14 de abril de 2014

olho de bicho

vê se pode, meu Deus do céu
tanta beleza em dois pontinhos só:
olho de gato
olho de cachorro
olho de cutia
olho de curió.

vê se pode, meu Deus do céu
tanto amor em dois pontinhos apenas:
olho de preguiça,
olho de camelo
olho de vaca
olho de siriema.

vê se pode, meu Deus do céu
tanta ligeireza em dois pontinhos nus:
olho de macaco,
olho de abelha,
olho de porquinho
olho de avestruz.

é que olho de bicho é olho de bicho
não há o que explicar.
de pertinho a gente se perde
na razão que não há.

[Fer]

2 comentários:

Vinicius Nora disse...

Vê se pode, meu Deus do Céu
Tanta fome em dois pontinhos espertos:
Olho de mico
Olho de sapo
Olho de peixe
Olho de marreco

Linda poesia. Estilo você!
Deixaria o Maneco supimpão da vida!

Te amo!

Vinicius



Ana Paula Orth disse...

Amei! Linda poesia, Fernanda!

Olhinhos que sabem tanto da gente, sem a gente saber. Não há como explicar mesmo.

Um beijo