terça-feira, 17 de novembro de 2015

Do amor aos gatos

Poeminhas nascidos pela manhã do dia 12/11/15. Apenas o último veio de noitinha, enquanto minha querida Amélie acordava.

O gato I - o paradoxo

O homem tem duas pernas
O gato, para andar, usa quatro.
o homem é cheio de alarmes
e o gato, vc já sabe.

- Isso não é um paradoxo?

------------------------------------------------------------

O gato II - a criação

Estive imaginando a criação.
E, lá pelo quinto dia, Deus, tão bonitinho, pensou:
Bonito, elegante, inteligente e rápido.
E fez-se o gato.

------------------------------------------------------------

O gato III – o sonho

Quando eu vejo um gato dormindo,
eu imagino o seu sonho
cheio de passarinhos.

------------------------------------------------------------

O gato IV – o segredo

Quando eu vejo um gato
Eu me apaixono instantaneamente.
E de novo, de novo e de novo.
Esse é um segredo que eu vivo tentando não descobrir.

------------------------------------------------------------

O gato V – a fuga

Vou-me embora pra Pasárgada*
Lá eu sou amiga do rei,
Lá eu tenho mil gatos,
Na cama que escolherei.

*Obs. Manuel Bandeira do meu coração, peguei emprestado sua linda fuga, ok?

------------------------------------------------------------

O gato VI -  meu sonho

Se um dia eu crescer,
quero ser gato.

------------------------------------------------------------

O gato VII – o motivo

Se na casa de um amigo meu,
mora um gato,
eu encontro dois motivos para estar lá.

------------------------------------------------------------

O gato VIII – a declaração

Um amor que não se esgota.
A última gota nunca bebida.
Um copo que sempre transborda.

------------------------------------------------------------

O gato XI – o nascimento

Abriu meu peito, pela manhã,
a doce unha de um gato.
E, lá de dentro, nasceu amor.

------------------------------------------------------------

O gato X – os poemas

Que todas as palavras para os gatos
sejam sempre doces,
quentinhas e queridas.
Como eles merecem.

------------------------------------------------------------

O gato XI - o manual

Se um dia eu me desencontrar.
Se distante eu estiver. 
Liguem meu coração ao ronron de um  gato.
E eu acordarei em paz.

------------------------------------------------------------

O gato XII– poemas que já li

Um dia, pequena, li um poema:
“Já não sereis tão só e não irás tão sozinha”
Naquele dia, grande, eu entendi.

------------------------------------------------------------

O gato XIII - o segredo II

Que ninguém venha me explicar.
É um segredo.
Gatos são fazedores de paz.

------------------------------------------------------------

O gato XIV – o iogue

Preste atenção num gato assim que ele acorda.
Antes de comer ou conversar,
ele faz ioga.


[Fer]

2 comentários:

Vinicius Nora disse...

Lindos e apaixonantes, todos eles!
E o Maneco te perdoa, com certeza!
Beijo

Ana Silva disse...

gracinhas demais!